Portugal vai às urnas em eleição que ocorre dois anos antes do previsto

Portugal vai às urnas em eleição que ocorre dois anos antes do previsto


Os eleitores portugueses foram às urnas neste domingo (10), enfrentando uma escolha entre mudar para um governo de centro-direita ou manter a centro-esquerda no poder, embora nenhum deles pareça ter um caminho claro para uma maioria total no parlamento.

O partido de direita Chega tem crescido em influência e poderia desempenhar um papel nas negociações pós-eleições.

As questões que dominam a campanha no país mais pobre da Europa Ocidental incluem uma crise habitacional incapacitante, baixos salários, falta de saúde e corrupção, visto por muitos como endêmico para os principais partidos.

As mesas de voto abriram às 8h do horário local (5h no horário de Brasília) e fecham às 19h em Portugal continental e uma hora mais tarde no arquipélago dos Açores. Os resultados são esperados por volta da meia-noite.

A eleição antecipada, quatro meses após a demissão repentina do primeiro-ministro socialista António Costa em meio a uma investigação de corrupção, novamente provoca o embate os dois partidos centristas – o Partido Socialista (PS) e o Partido Social-Democrata (PSD) – que se alternaram no poder desde o fim de uma ditadura fascista há cinco décadas.

“Espero que a vida melhore do que é agora”, disse Diamantino Vieira, de 86 anos, à Reuters enquanto aguardava para votar em uma mesa de votação na cidade de Espinho, onde Luis Montenegro, que está à frente da Aliança Democrática (AD) dos partidos de direita, também vai votar.

O AD lidera na maioria das pesquisas de opinião, mas pode ter dificuldades para governar sem os votos de apoio do Chega. Montenegro até agora descartou quaisquer acordos com os populistas radicais, que querem um papel no governo.

O PS governante, agora liderado por Pedro Nuno Santos após a renúncia de Costa, poderia tentar uma repetição de suas antigas alianças com o Bloco de Esquerda e os Comunistas que lhes permitiram governar entre 2015 e 2019, se a esquerda combinada conseguir mais de 115 assentos no parlamento de 230 assentos.

Pesquisas sugerem que o apoio à mensagem anti-establishment do Chega, seus votos de varrer a corrupção e a hostilidade ao que vê como imigração “excessiva”, praticamente dobrou desde a última eleição em 2022, embora permaneça em terceiro lugar.

Na sexta-feira, o presidente conservador Marcelo Rebelo de Sousa disse ao jornal Expresso que faria tudo o que pudesse para impedir que o Chega ganhasse poder, atraindo críticas quando o chefe de Estado é obrigado a permanecer neutro.

O cientista político António Costa Pinto, da Universidade de Lisboa, disse que Portugal “entrou na dinâmica de muitas democracias europeias”, nas quais a centro-direita é desafiada por ter um partido radical à sua direita consolidado em terceiro lugar.

Um potencial governo minoritário da AD, mesmo apoiado pela Iniciativa Liberal de centro-direita menor, provavelmente precisaria de votos do Chega para aprovar legislação, tornando-a relativamente frágil, já que o Chega poderia derrubá-la a qualquer momento.

No entanto, “uma vitória do PS com uma maioria absoluta de direita no parlamento seria o cenário mais complexo e instável”, acrescentou Costa Pinto.

Mais de 10 milhões de cidadãos podem votar.



Fonte de Dados: CNN BRASIL

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Topo