Governo do Irã busca grande participação nas urnas em meio à insatisfação popular

Governo do Irã busca grande participação nas urnas em meio à insatisfação popular


O Irã vai às urnas para escolher um novo parlamento nesta sexta-feira (1º), visto como um teste à legitimidade do governo em um momento de crescente frustração com problemas econômicos e restrições às liberdades políticas e sociais.

O líder supremo Ayatollah Ali Khamenei, que chamou o voto de dever religioso, foi o primeiro a votar no Irã.

“Vote o mais rápido possível … hoje os olhos dos amigos e mal-intencionados do Irã estão nos resultados (eleitorais). Faça amigos felizes e decepcione inimigos”, disse Khamenei à TV estatal.

A eleição é a primeira medida formal da opinião pública após os protestos antigovernamentais em 2022-23 se transformarem em algumas das piores turbulências políticas desde a Revolução Islâmica de 1979.

Os governantes do Irã precisam de uma alta participação para reparar sua legitimidade, danificada após a agitação. Mas pesquisas oficiais sugerem que apenas cerca de 41% dos iranianos votarão. A participação atingiu uma baixa recorde de 42,5% na votação do parlamento de 2020, enquanto cerca de 62% dos eleitores participaram das eleições parlamentares de 2016.

O Ministério do Interior disse que mais de 15 mil candidatos concorrerão ao parlamento de 290 assentos. Resultados parciais podem aparecer no sábado.

Ativistas iranianos e grupos de oposição estão distribuindo as hashtags do Twitter #VOTENoVote e #ElectionCircus amplamente nas mídias sociais, argumentando que uma alta participação irá legitimar a República Islâmica.

“Estou buscando uma mudança de regime. Decidi não votar, pois serviria apenas para reforçar o domínio da República Islâmica”, disse o estudante universitário Mehran, de 22 anos, na cidade central de Isfahan. “Quero viver livremente.”

A ganhadora do Prêmio Nobel da Paz, Narges Mohammadi, declarou a eleição como “uma farsa”.

O parlamento, dominado por radicais há mais de duas décadas, tem um impacto insignificante na política externa e na disputa nuclear com o Ocidente, questões determinadas por Khamenei.

Sucessão de crises

Com moderados pesados e conservadores ficando fora da corrida e reformistas chamando-a de uma “eleição não livre e injusta”, a disputa é entre radicais e conservadores que proclamam lealdade aos ideais revolucionários islâmicos.

Muitos iranianos pró-reforma ainda têm memórias dolorosas da agitação nacional provocada pela morte de uma jovem iraniana-curda em 2022, que estava presa. Protestos foram reprimidos com violência, com detenções em massa e até execuções.

Dificuldades econômicas representam outro desafio. Muitos analistas dizem que um grande número de iranianos já não pensam que os clérigos governantes são capazes de resolver uma crise econômica causada por uma mistura de sanções dos EUA reimpostas após o fracasso em reviver o acordo nuclear do Irã, má gestão e corrupção.

A eleição ocorre em um momento de tensões crescentes no Oriente Médio, onde Israel está travando uma guerra contra o grupo islâmico palestino Hamas, apoiado por Teerã, em Gaza, e com grupos apoiados pelo Irã atacando alvos israelenses e norte-americanos no Líbano e no Mar Vermelho.

Khamenei acusou os “inimigos” do país – um termo que ele normalmente usa para os Estados Unidos e Israel – de tentar criar desespero entre os eleitores iranianos.



Fonte de Dados: CNN BRASIL

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Topo