FTX está insolvente? Por que a Binance está vendendo FTT?

FTX está insolvente? Por que a Binance está vendendo FTT?


  • O CEO da Binance, CZ, anunciou que a exchange está despejando suas participações de FTT após revelações sobre o relacionamento Alameda/FTX
  • Os US$ 14,6 bilhões em ativos da Alameda são 40% FTT, o token nativo da FTX
  • Há informações mínimas sobre como os passivos de US$ 8 bilhões da Alameda são denominados
  • Bankman-Fried fundou a Alameda e o FTX, mas defendeu o conflito de interesses
  • Volume de FTT é baixo – a iliquidez impediria a Alameda de vender seu FTT
  • A Alameda se ofereceu para comprar o FTT da CZ por US$ 22 por token, pois há o aumento da preocupação de que a pressão de venda afunde o mercado
  • CZ diz que levará meses para vender
  • Minha pergunta é por que a criptomoeda está passando por isso novamente?
  • Vivemos em um mundo blockchain, quão difícil é colocar tudo isso em um blockchain?

De novo não.

Com o TEPT do contágio do verão ainda sendo proeminente para os investidores de criptomoedas, quando aparentemente metade da indústria enlouqueceu, agora tudo está parecendo um déjà vu. E quem irá desempenhar o papel de vilão desta vez, apenas o FTX, o suposto cavaleiro branco que interveio para salvar o dia com ofertas de resgate de última hora das empresas Celsius e BlockFi.

O que aconteceu?

Antigamente – e em termos de criptografia, o que significa apenas alguns anos atrás – a Binance ajudou a incubar a FTX, que hoje se apresenta como sua maior concorrente.

Eles saíram da posição acionária no ano passado, recebendo US$ 2,1 bilhões por seu bom investimento. Mas isso não foi pago em dinheiro, em vez disso, eles receberam a divisão de pagamento entre a stablecoin BUSD e, crucialmente, o token nativo da FTX, FTT.

O problema está centrado no pagamento recebido no token FTT. CZ, CEO da Binance, anunciou no Twitter que “devido às recentes revelações que vieram à tona, decidimos liquidar qualquer FTT restante em nossos livros”.

Ele acrescentou que “vamos tentar fazê-lo de uma forma que minimize o impacto no mercado. Devido às condições de mercado e liquidez limitada, esperamos que isso leve alguns meses para ser concluído”.

Quais são as revelações sobre o FTX?

O anúncio de CZ é uma resposta a uma história da CoinDesk sobre o balanço da empresa de trading Alameda Research.

A Alameda é (mais ou menos) uma empresa irmã da FTX, embora os detalhes sejam um pouco mais obscuros. O fundo de hedge/empresa de negociação foi fundado por Sam Bankman-Fried, o mesmo Sam que lidera a FTX, que há muito enfrenta questões sobre o conflito de interesses entre essas duas empresas.

As exchanges vivem e morrem por sua liquidez, e é a coisa mais difícil de conseguir ao lançar uma nova exchange. Traders seguirão a liquidez, mas quando você começa com liquidez zero, não os ganha. E, por definição, a liquidez só vem dos traders. Então, é como um problema perverso da galinha e do ovo.

Bankman-Fried resolveu esse problema do ovo e da galinha canalizando uma carga de negociações da Alameda por meio do FTX, aumentando assim a liquidez. Logo, a FTX estava pronta para as corridas, seu crescimento fenomenal (lançado apenas três anos atrás, com Bankman-Fried catapultado para o clube bilionário em seus vinte anos).

As questões em torno de um conflito de interesses giram em torno de quais informações a Alameda vê no mercado que os traders regulares não veem. Bankman-Fried recuou, mas a realidade é que a Alameda é um dos maiores provedores de liquidez na bolsa e negocia ativamente contra os clientes. Supondo que seja tudo honesto, o conflito de interesses ainda é fácil de ver.

Mas há outras histórias emaranhadas entre os dois. Embora sejam “dois negócios separados”, a CoinDesk informou que “a divisão se desfaz em um lugar-chave: no balanço da Alameda, de acordo com um documento financeiro privado revisado pela CoinDesk”.

Os ativos da Alameda somavam US$ 14,6 bilhões em 30 de junho, dos quais US$ 3,66 bilhões eram “FTT desbloqueado” e US$ 2,16 bilhões em “garantia FTT”. Tracei o detalhamento de ativos abaixo, que inclui uma dose pesada de Solana, a criptomoeda em que Sam Bankman-Fried foi um dos primeiros investidores e continua sendo um defensor vocal.

 

Obviamente, esse é um balanço bastante preocupante de instrumentos intensamente correlacionados. Mas é realmente o token FTT que se destaca, ocupando impressionantes 40% (entre alocações bloqueadas e desbloqueadas). Afinal, o FTT é um token criado pelo FTX.

Quão preocupante é o token FTX?

Não são apenas os laços incestuosos entre a empresa, nem o fato de que o FTX foi impresso do nada e agora ocupa 40% do balanço. Porque há um problema de liquidez aqui também.

Enquanto escrevo isso, o valor de mercado do token FTT é de US$ 3 bilhões (de acordo com o CoinMarketCap) e o valor de mercado totalmente diluído é de US$ 7,9 bilhões. E agora você vê o problema – a Alameda detém US$ 3,7 bilhões desse valor de mercado, juntamente com outros US$ 2,2 bilhões em “garantia FTT” – para a qual sua teoria é tão boa quanto a minha, porque não tenho ideia do que isso significa.

Outros ativos mencionados no relatório da CoinDesk também não eliminam a preocupação. SRM é um deles, que é o token nativo da exchange descentralizada Serum fundada por, você adivinhou, Sam Bankman-Fried.

Existem outros três tokens mencionados – MAPS, OXY e FIDA. Não vou fingir que sei muito sobre isso, mas isso por si só resume o problema. Novamente, estes são altamente ilíquidos – muito mais do que o FTT.

E assim, a grande questão aponta para o passivo. A FTX tem passivos em seu balanço totalizando US$ 8 bilhões, dos quais US$ 7,4 bilhões são empréstimos. Não consegui rastrear mais informações sobre eles, mas não há dúvidas de que esse número se apresenta como preocupante quando comparado ao lado dos ativos ilíquidos analisados acima.

Preciso dizer que o FTT é mencionado entre os passivos. Isso abrandaria consideravelmente o medo, pois a mesma questão de ativos “fantasmas” poderia se aplicar ao lado do passivo.

Mas não temos ideia de qual é a maior parte dos passivos. Embora eu não pense nem por um momento que a Alameda possa estar insolvente, o cenário do fim do mundo é um lado do passivo repleto de fiduciários, já que o lado do ativo simplesmente não pode ser liquidado em massa para fazer frente ao passivo. Indiscutivelmente, isso é erroneamente exagerado, devido aos laços com o FTX e ao fato de que o FTT pode ser impresso do nada e tem uma liquidez tão baixa.

 

Esse gráfico diz tudo. O volume diário nos últimos 6 meses é em média de US$ 25 milhões, antes do aumento desta semana, quando esta história começou a ganhar espaço. Simplesmente não há como a Alameda liquidar uma parte significativa de suas participações em FTT sem afundar o preço de mercado. Portanto, seus ativos no papel superam amplamente o que valem na vida real.

Então, o que acontece quando a Binance vende?

Então, CZ está assustado com as revelações em torno do token FTT. A percepção de falta de valor subjacente é uma coisa, mas criá-lo do nada e usá-lo para sustentar os balanços é outra. Então vem a ordem de venda.

Curiosamente, CZ deu o tweet enigmático de que “não apoiaremos pessoas que fazem lobby contra outros players do setor pelas costas”, sugerindo que há mais do que preocupações sobre o relacionamento Alameda / FTX.

E embora não saibamos qual é a quantia de ações de US$ 2,1 bilhões da Binance de FTX é denominado em BUSD e FTT, não há dúvida de que é substancial em comparação com a negociação de liquidez no mercado – com US$ 500 milhões do total dos rumores.

É por isso que a CEO da Alameda, Caroline Ellison, fez uma oferta para comprar a mala inteira de FTT da CZ a um preço de US$ 22 por token. No momento da redação, o preço de mercado é de $ 22,20. CZ reconheceu a situação de liquidez, afirmando que levaria vários meses para concluir o pedido de venda.

 

Ela também havia se movido anteriormente para esclarecer que o balanço patrimonial mencionado no relatório da CoinDesk estava incompleto, embora isso não tenha dissuadido CZ de vender.

Meus pensamentos

Como é comum aqui, há uma frustrante falta de clareza.

Os comentários de Ellison de que o balanço patrimonial está incompleto mostram isso. Mas deixe-me perguntar isso – em uma indústria construída no blockchain, por que há tantas vezes um problema com transparência? Por que não podemos ter esses grandes jogadores apresentando suas participações e balanços on-chain para que todos vejam?

Vimos o mesmo durante o fiasco do Terra, sem ninguém ter certeza de qual capital a Luna Foundation Guard possuía, que estava implantando Bitcoin desesperadamente para defender o colapso do peg.

E novamente – temos esse déjà vu – a coisa toda é mais incestuosa do que uma reunião de família Lannister. Alameda segurando tokens FTT, lançados pela FTX, que foram investidos pela Binance, que foi pago em FTT. Do lado de fora, olhando para dentro, isso é loucura.

Foi o mesmo com a Three Arrows Capital segurando Luna. E BlockFi também teve exposição. E depois Celsius e Voyager Digital. E a lista continua. Todos eles tiveram exposição um ao outro, com Terra e algum Bitcoin despejado – uma desagradável espiral descendente que caiu como um castelo de cartas.

Eu não acho que este é o caso aqui. FTX parece OK e eu acredito que Alameda tenha certa organização. Mas as informações acima são preocupantes, e é ridículo que eu tenha que especular sobre isso em primeiro lugar. Sem mencionar que a ligação emaranhada entre os dois não é saudável para todos os envolvidos.

Este é apenas um palpite. É claro que não temos informações sobre o passivo do balanço da Alameda. Se for $8 bilhões de fiat, então pode haver um problema. Mas, novamente, não sabemos.

Isso é criptografia, então por que não podemos simplesmente colocá-la no blockchain e parar de opinar sobre isso na Internet? Já vimos esse filme muitas vezes e está ficando cansativo.





Fonte de Dados

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Topo