Entenda o tamanho do arsenal nuclear da Rússia e quem o controla

Entenda o tamanho do arsenal nuclear da Rússia e quem o controla


O presidente Vladimir Putin alertou o Ocidente nesta quarta-feira (13) que a Rússia está tecnicamente pronta para uma guerra nuclear, e que se os Estados Unidos enviassem tropas para a Ucrânia, a medida seria considerada uma escalada significativa da guerra.

Aqui estão os principais fatos sobre o arsenal nuclear da Rússia.

Superpotência nuclear

A Rússia, que herdou as armas nucleares da União Soviética, possui o maior estoque mundial de ogivas nucleares.

Putin controla cerca de 5.580 ogivas nucleares, segundo a Federação de Cientistas Americanos (FAS, na sigla em inglês).

Destes, cerca de 1.200 estão “aposentadas”, mas em grande parte intactas, e cerca de 4.380 estão armazenadas para uso em lançadores estratégicos de longo alcance e forças nucleares táticas de curto alcance, de acordo com a FAS.

Das ogivas armazenadas, 1.710 ogivas estratégicas já estão implantadas: cerca de 870 em mísseis balísticos terrestres, cerca de 640 em mísseis balísticos lançados por submarinos e possivelmente 200 em bases de bombardeiros pesados, disse a FAS.

Esses números significam que Moscou poderia destruir o mundo muitas vezes.

Durante a Guerra Fria, a União Soviética teve um pico de cerca de 40 mil ogivas nucleares, enquanto o pico dos EUA foi de cerca de 30 mil.

Quais as circunstâncias para uso?

A doutrina nuclear publicada pela Rússia em 2020 estabelece as condições sob as quais um presidente russo consideraria o uso de uma arma nuclear amplamente como uma resposta a um ataque usando armas nucleares ou outras armas de destruição em massa, ou ao uso de armas convencionais contra a Rússia “quando a próprio a existência do Estado [russo] está ameaçada”.

Armas nucleares mais recentes

Os Estados Unidos afirmaram na sua “Revisão da Postura Nuclear” de 2022 que a Rússia e a China estavam expandindo e modernizando as suas forças nucleares e que Washington iria prosseguir uma abordagem baseada no controle de armas para evitar corridas armamentistas dispendiosas.

“Embora as declarações nucleares e a retórica ameaçadora da Rússia sejam de grande preocupação, o arsenal nuclear e as operações da Rússia mudaram pouco desde as nossas estimativas para 2023, para além da modernização em curso”, afirmou a FAS na sua análise de 2024 das forças russas.

“No futuro, porém, o número de ogivas atribuídas às forças estratégicas russas poderá aumentar à medida que os mísseis de ogiva única forem substituídos por mísseis equipados com ogivas múltiplas”, disse a FAS.

Teste nuclear

Putin disse que a Rússia consideraria testar uma arma nuclear se os Estados Unidos o fizessem.

No ano passado, ele assinou uma lei que retirava a ratificação pela Rússia do Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares (CTBT).

A Rússia pós-soviética não realizou nenhum teste nuclear.

Desde o colapso da União Soviética em 1991, apenas alguns países testaram armas nucleares, de acordo com a Associação de Controlo de Armas.

Os Estados Unidos testaram pela última vez em 1992, a China e a França em 1996, a Índia e o Paquistão em 1998, e a Coreia do Norte em 2017.

A União Soviética testou pela última vez em 1990.

O Tratado de Proibição Total de Testes Nucleares foi assinado pela Rússia em 1996 e ratificado em 2000. Os Estados Unidos assinaram o tratado em 1996, mas ainda não o ratificaram.

Quem daria a ordem de lançamento na Rússia?

O presidente russo tem a decisão final sobre a utilização de armas nucleares russas.

A chamada maleta nuclear, ou “Cheget” (em homenagem ao Monte Cheget nas montanhas do Cáucaso), está sempre com o presidente.

Acredita-se que o ministro da defesa russo, atualmente Sergei Shoigu, e o chefe do Estado-Maior, atualmente Valery Gerasimov, também tenham essas pastas.

Essencialmente, a pasta é uma ferramenta de comunicação que liga o presidente ao seu alto escalão militar e daí às forças de foguetes através da rede eletrônica de comando e controle altamente secreta “Kazbek”.

Kazbek suporta outro sistema conhecido como “Kavkaz”.

Imagens mostradas pelo canal de televisão russo Zvezda em 2019 mostraram o que dizia ser uma das pastas com uma série de botões.

Em uma seção chamada “comando” existem dois botões: um botão branco “iniciar” e um botão vermelho “cancelar”. A pasta é ativada por um flashcard especial, segundo Zvezda.

Se a Rússia pensasse que enfrentava um ataque nuclear estratégico, o presidente, através das pastas, enviaria uma ordem de lançamento direta ao comando do Estado-Maior e às unidades de comando da reserva que detêm códigos nucleares.

Tais ordens propagam-se rapidamente em cascata por diferentes sistemas de comunicações até unidades estratégicas de foguetes, que depois disparam contra os Estados Unidos e a Europa.

Se um ataque nuclear fosse confirmado, Putin poderia ativar o chamado sistema de último recurso “Mão Morta” ou “Perimetr” – essencialmente os computadores decidiriam o dia do juízo final.

Um foguete de controle ordenaria ataques nucleares em todo o vasto arsenal da Rússia.



Fonte de Dados: CNN BRASIL

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Topo